27 de outubro de 2017 betel

O que é DIY?

Seja nas redes sociais, seja em alguma revista – e aqui em nosso blog também, você já se deparou com a sigla DIY, não é mesmo? Mas, afinal, o que isso significa?

O termo está em alta nos blogs e canais de pessoas que decidem ensinar nas mídias sociais a sua arte e customização Mas o faça-você-mesmo é bem mais antigo e vem desde o tempo que nossas avós faziam casacos de crochê para presentear a família. Quer entender mais sobre isso? Então, fique atento a este artigo.

A sigla DIY

Essa abreviatura vem do inglês e significa “Do it Yourself”. Ou seja, “faça você mesmo”, em português.  É um movimento que valoriza os produtos feitos manualmente, prezando a criatividade pessoal. É um incentivo a criação dos seus próprios produtos, como: brinquedos, móveis, decoração, cremes, sabonetes, velas etc.

Além de ter algo exclusivo e com sua personalidade, outra vantagem das produções DIY é o custo-benefício. Adquirir a matéria prima é muito mais em conta do que adquirir um produto pronto e genérico.

Surgimento do termo

O conceito DIY teve seu surgimento na década de 50, ganhando força nos entre 1960 e 1970 com as tribos punk underground. Era muito comum ver esse termo associado a bandas, com o sentido de serem produções independentes, arcando com todas as etapas de lançamento e divulgação, desde o processo de compor músicas até a parte de vendas.

Faça-você-mesmo está também associado a ideais anticonsumistas e anticapitalistas, trazendo a ideia de que todos podem ter autonomia de fazer o que irão utilizar. Ele é uma forma de redução de gastos, porque você mesmo estará fazendo a parte de produção e, logo, irá economizar. Além disso, também é uma ajuda ao meio ambiente.

 

Como fazer DIY?

Primeiramente, você vai procurar referências. Com a facilidade da internet você consegue achar diversas formas de produzir manualmente algo que deseja. Saiba que você não precisa ser especialista ou ter jeito para começar o seu DIY, apenas fique atento ao passo a passo e você conseguirá fazer sua própria arte.

E mesmo que não saia perfeita no começo, basta persistir e logo você estará fazendo diversos artigos de decoração incríveis. Basta ter perseverança e paciência. Acaba sendo uma ótima terapia também. Abaixo estão opções de faça-você-mesmo em algumas áreas.

  • DIY para Customizar

Customizar é transformar uma roupa antiga em algo totalmente renovado. Através do corte e costura você consegue fazer modificações criativas. Também pode fazer uso de botões, patches, strass e pedrarias para modificar sua peça e ter uma roupa singular e original.

  • DIY em MDF

É uma das forma mais populares de DIY. Muitas pessoas gostam de comprar caixas de mdf e fazer sua própria decoração. E tem vários tamanhos de artigos em mdf, chegando a ter móveis desse material, prontos para personalizar da forma que você achar melhor. Os materiais utilizados para essa técnica são: tintas, pincel, lixa, martelo, fechaduras e pregos.

  • DIY em artigos eletrônicos

Com um pouco mais de dedicação é possível construir objetos como: mouses, teclados, caixas de som e até robôs! O DIY é sempre a melhor forma de exercer sua capacidade de criar.

  • DIY em consertos

Essa técnica vai desde arrumar uma mochila com o zíper ruim, colocar o papel de parede, ajeitar a pia que deu problema até recuperar o encanamento que estava com defeito. Mas procure bem a forma de fazer e se não conseguir, não hesite em chamar um profissional, ou o estresse pode ser grande.

Movimento Maker

Outras correntes incorporam o conceito de DIY. Um exemplo é o Movimento Maker. Esta tendência inclui objetos de robótica, eletrônica, impressoras 3D, melhoras nos produtos domésticos e até arte interativa. Uma grande utilidade das impressoras 3D é fazer próteses de valor mais acessível.

 

 

Faça você mesmo!

Gostou de conhecer mais sobre o Do it your self? Então que tal visitar nossa categoria DIY e aprender técnicas incríveis para inovar na decoração da sua casa?

Você também pode gostar